Não temos mais tempo: A hora de mudar é agora - Veja o que diz novo relatório do IPCC


O último Relatório Especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) destaca a urgência de priorizar ações oportunas, ambiciosas e coordenadas para lidar com mudanças sem precedentes e duradouras no oceano e na criosfera - as partes congeladas do planeta.

Um total de 670 milhões de pessoas em regiões de alta montanha e 680 milhões de pessoas em zonas costeiras baixas dependem diretamente desses sistemas. Quatro milhões de pessoas vivem permanentemente na região do Ártico, e os pequenos estados insulares em desenvolvimento abrigam 65 milhões de pessoas.

O aquecimento global já atingiu 1 ° C acima do nível pré-industrial, devido às emissões passadas e atuais de gases de efeito estufa. Há evidências esmagadoras de que isso está resultando em profundas consequências para os ecossistemas e as pessoas. O oceano é mais quente, mais ácido e menos produtivo. O derretimento das geleiras e camadas de gelo está causando o aumento do nível do mar, e os eventos extremos costeiros estão se tornando mais graves.

O Relatório Especial do IPCC sobre o Oceano e a Criosfera em um Clima em Mudança, aprovado em 24 de setembro de 2019 pelos 195 governos membros do IPCC, fornece novas evidências dos benefícios de limitar o aquecimento global ao nível mais baixo possível - de acordo com a meta que os governos estabelecem no Acordo de Paris de 2015. A redução urgente das emissões de gases de efeito estufa limita a escala das mudanças nos oceanos e na criosfera. Os ecossistemas e os meios de subsistência que dependem deles podem ser preservados.

"O mar aberto, o Ártico, a Antártica e as altas montanhas podem parecer distantes para muitas pessoas", disse Hoesung Lee, presidente do IPCC. "Mas nós dependemos deles e somos influenciados por eles direta e indiretamente de várias maneiras - pelo clima, pela comida e pela água, pela energia, comércio, transporte, recreação e turismo, pela saúde e bem-estar, pela cultura e pela identidade".

"Se reduzirmos as emissões bruscamente, as consequências para as pessoas e seus meios de subsistência ainda serão desafiadoras, mas potencialmente mais gerenciáveis ​​para as pessoas mais vulneráveis", disse Lee. "Aumentamos nossa capacidade de criar resiliência e haverá mais benefícios para o desenvolvimento sustentável". Para o relatório, mais de 100 autores de 36 países avaliaram a mais recente literatura científica relacionada ao oceano e à criosfera em um clima em constante mudança, referenciando cerca de 7.000 publicações científicas.

Veja o relatório completo neste link


0 visualização

© 2016 por Cumulus TV.