O último suspiro dos corais


foto: THE OCEAN AGENCY / XL CATLIN SEAVIEW SURVEY

Nos últimos anos, recifes de coral em todo o mundo estão sendo impactados pelo aumento da temperatura do oceano e sofrendo com eventos de branqueamento em massa. Depois de branqueados, os corais têm pouca chance de se recuperar - mas um novo estudo sugere que eles têm um método de sobrevivência incomum: assumir uma cor neon vibrante.


Os cientistas descobriram o misterioso coral neon uma década atrás, mas não conseguiram descobrir por que ele ocorreu. Este estudo, publicado quinta-feira na revista Current Biology, sugere que os corais mudem de cor como um último esforço para sobreviver.


CREDIT: THE OCEAN AGENCY / XL CATLIN SEAVIEW SURVEY

Corais coexistem simbioticamente com pequenas algas, fornecendo abrigo, nutrientes e dióxido de carbono em troca de seus poderes fotossintéticos. Mesmo pequenos aumentos nas temperaturas anuais do oceano podem causar estragos nessa relação, expulsando as algas do coral e expondo seu esqueleto branco. Depois que o coral é exposto, muitas vezes se decompõe e morre, alterando o ecossistema para a diversidade de vida que depende dele.


Pesquisadores do Laboratório de Recifes de Coral da Universidade de Southampton, na Inglaterra, estudaram 15 eventos de branqueamento seguidos pela coloração neon em todo o mundo entre 2010 e 2019 - incluindo um na Grande Barreira de Corais, o maior sistema de recifes de corais do mundo - e recriaram essas temperaturas do oceano em um laboratório. Eles descobriram que os eventos de coloração neon ocorrem quando os corais produzem "o que é efetivamente uma camada de filtro solar" em sua superfície para proteger contra raios nocivos e criar uma exibição brilhante que os pesquisadores acreditam que incentiva as algas a retornarem.


A The Ocean Agency, uma organização sem fins lucrativos, que combina criatividade, tecnologia e parcerias poderosas para aumentar a conscientização e o apoio necessário para ajudar a acelerar a ação de conservação do oceano, descreve o processo como um grito final "arrepiante, bonito e comovente" de ajuda, à medida que o coral tenta atrair a atenção das algas.


"Nossa pesquisa mostra que esta alteração na cor envolve um mecanismo de autorregulação, o chamado loop de feedback óptico, que envolve os dois parceiros da simbiose", disse o pesquisador Jörg Wiedenmann, da Universidade de Southampton, em um comunicado à imprensa. "A camada de filtro solar resultante promoverá subsequentemente o retorno dos simbiontes. À medida que a população de algas em recuperação começa a retomar a luz para sua fotossíntese, os níveis de luz no interior do coral caem e as células de coral diminuem a produção dos pigmentos coloridos ao nível normal ".



Não é apenas o oceano em aquecimento que causa esta alteração. Os pesquisadores dizem que mudanças nos níveis de nutrientes nos recifes de coral, devido ao escoamento de fertilizantes em áreas agrícolas também levam a eventos de branqueamento - um problema que pode ser corrigido em nível local.


Especialistas acreditam que apenas os corais que enfrentaram distúrbios leves ou breves, em vez de eventos extremos de branqueamento em massa, podem tentar se salvar usando esse processo. Esses corais ainda podem manter algumas de suas funções normais por um curto período de tempo, pois esperam que suas algas voltem - enquanto mudanças drásticas na temperatura do oceano quase sempre levam à morte de corais.


Os cientistas enfatizaram que, embora o esta alteração de cor seja um bom sinal, apenas uma redução significativa de gases de efeito estufa em todo o mundo - além da melhoria na qualidade da água local - pode salvar os recifes de coral além deste século.



CREDIT: THE OCEAN AGENCY / XL CATLIN SEAVIEW SURVEY




21 visualizações

© 2016 por Cumulus TV.