Oceano pode absorver menos CO2 em 2020 e isto não é uma boa notícia



Erupções vulcânicas e mudanças causadas pelo homem na atmosfera influenciam fortemente a taxa na qual o oceano absorve dióxido de carbono, diz um novo estudo publicado revista AGU Advances. O oceano é tão sensível a mudanças atmosféricas, que com o declínio de emissões de gases de efeito estufa, ele responde imediatamente absorvendo também menos dióxido de carbono.


Os autores do estudo dizem que em breve poderemos ver isso acontecer devido à pandemia do COVID-19, que diminuiu o consumo global de combustível; eles prevêem que o oceano não continuará com seu recente padrão histórico de absorver mais dióxido de carbono a cada ano e poderá até capturar menos carbono em 2020 do que em 2019.

Segundo o principal autor do artigo, Galen McKinley, cientista do ciclo do carbono no Observatório da Terra da Universidade Columbia, à medida que reduzimos nossas emissões e a taxa de crescimento de dióxido de carbono na atmosfera diminui, é importante perceber que o sumidouro de carbono do oceano responderá diminuindo a velocidade.


O artigo responde em grande parte a incerteza sobre o que levou o oceano a absorver quantidades variáveis ​​de carbono nos últimos 30 anos. As descobertas permitirão medições e projeções mais precisas de quanto o planeta pode aquecer e quanto o oceano poderá compensar as mudanças climáticas no futuro.


Um sumidouro de carbono é um sistema natural que absorve o excesso de dióxido de carbono da atmosfera e o armazena. O maior sumidouro de carbono da Terra é o oceano. Como resultado, ele desempenha um papel fundamental na contenção dos efeitos das mudanças climáticas causadas pelo homem. Quase 40% do dióxido de carbono adicionado à atmosfera pela queima de combustíveis fósseis desde o início da era industrial foi absorvido pelo oceano.


Existe variabilidade na taxa em que o oceano absorve dióxido de carbono, o que não é totalmente compreendido. Em particular, a comunidade científica ficou intrigada com o motivo pelo qual o oceano absorveu brevemente mais dióxido de carbono no início dos anos 90 e depois absorveu menos até 2001, um fenômeno verificado por inúmeras observações e modelos oceânicos.


McKinley e seus co-autores abordaram essa questão usando um modelo de diagnóstico para visualizar e analisar diferentes cenários que poderiam ter impulsionado uma maior e menor captação de carbono oceânico entre 1980 e 2017. Eles descobriram que o captura reduzida de carbono pelo oceano nos anos 90 pode ser explicada pelo crescimento lento taxa de dióxido de carbono atmosférico no início da década. Acredita-se que as melhorias de eficiência e o colapso econômico da União Soviética e dos países da Europa Oriental estejam entre as causas desse abrandamento.


Mas outro evento também afetou o sumidouro de carbono: a erupção maciça do Monte Pinatubo nas Filipinas em 1991 fez com que o sumidouro se tornasse temporariamente muito maior coincidente com a erupção.


Pinatubo foi a segunda maior erupção vulcânica do século XX. As estimadas 20 milhões de toneladas de cinzas e gases que foram jogadas na atmosfera tiveram um impacto significativo no clima e no sumidouro de carbono do oceano. Os pesquisadores descobriram que as emissões de Pinatubo fizeram o oceano absorver mais carbono em 1992 e 1993. O sumidouro de carbono diminuiu lentamente até 2001, quando a atividade humana começou a bombear mais dióxido de carbono na atmosfera. O oceano respondeu absorvendo essas emissões excedentes.


Investigar como a erupção de Pinatubo impactou o clima global e, portanto, o sumidouro de carbono oceânico, e se a queda nas emissões devido ao COVID-19 se reflete no oceano estão entre os próximos planos da equipe de pesquisa.


Ao entender a variabilidade no sumidouro de carbono oceânico, os cientistas podem continuar refinando as projeções de como o sistema oceânico desacelerá.


McKinley adverte que, à medida que as emissões globais forem cortadas, haverá uma fase intermediária em que o sumidouro de carbono do oceano diminuirá a velocidade e não compensará as mudanças climáticas tanto quanto no passado. Esse dióxido de carbono extra permanecerá na atmosfera e contribuirá para o aquecimento adicional, o que pode surpreender algumas pessoas, disse ela.

0 visualização

© 2016 por Cumulus TV.