Primeiro vazamento de metano subaquático descoberto perto da Antártica

O que é pior, os micróbios que consomem metano da Antártica não estão fazendo seu trabalho.


Logo abaixo das geladas camadas de gelo da Antártica, pesquisadores descobriram um vazamento de gás que pode mudar o destino climático da região.

Pela primeira vez, os cientistas detectaram um vazamento ativo de gás metano - um gás de efeito estufa com um potencial de aquecimento climático 25 vezes maior que o dióxido de carbono - nas águas antárticas. Apesar de vazamentos submarinos de metano terem sido detectados anteriormente em todo o mundo, também se sabia que alguns micro-organismos ajudam a manter esse vazamento sob controle, consumindo o gás antes que possa escapar para a atmosfera. Mas, de acordo com estudo publicado em 22 de julho na revista Proceedings of Royal Society B, esse não parece ser o caso na Antártica.

Os autores do estudo descobriram que os micróbios que consomem metano levaram aproximadamente cinco anos para responder ao vazamento da Antártica e, mesmo assim, não consumiram o gás completamente. De acordo com o principal autor do estudo, Andrew Thurber, o vazamento subaquático quase certamente fez com que o gás metano penetrasse na atmosfera nesses cinco anos - um fenômeno que os modelos climáticos atuais não levam em conta ao prever a extensão do futuro aquecimento atmosférico.

O metano é um subproduto de matéria antiga em decomposição, enterrada no fundo do mar ou presa no permafrost polar. As mudanças climáticas já estão derretendo parte do permafrost, liberando lentamente os vastos estoques de gases de efeito estufa no subsolo. No entanto, os impactos dos vazamentos subaquáticos de metano ainda são pouco estudados, especialmente na inóspita Antártica, simplesmente porque são difíceis de encontrar, disse Thurber.

O vazamento recente - localizado a cerca de 10 metros abaixo do mar de Ross, perto da plataforma de gelo Ross do sul da Antártida - foi descoberto por acaso por mergulhadores civis em 2011. Quando Thurber e seus colegas visitaram o local no final daquele ano, o fundo do mar mostrava sinais reveladores de um vazamento de metano: "mantas" brancas de microrganismos que existem em uma relação simbiótica com micróbios consumidores de metano esticados em uma linha de 70 pés de comprimento ao longo do fundo do mar.

Uma análise de sedimentos confirmou o óbvio - o metano estava escapando do fundo do mar. Quando a equipe voltou ao local, cinco anos depois, mais micróbios apareceram, mas o metano continuou a fluir. Thurber chamou a descoberta de "incrivelmente preocupante", já que a maioria dos modelos climáticos conta com bactérias que comem metano para remover essa ameaça subaquática quase imediatamente. Essa resposta microbiana lenta, juntamente com a profundidade rasa do vazamento, sugere que quantidades significativas de metano estão sendo lançadas na atmosfera acima do mar de Ross há anos.


Em termos gerais, esse é apenas um pequeno vazamento, e provavelmente não irá influenciar significativamente a escala climática. Mas as águas ao redor do continente sul podem conter até 25% do metano marinho da Terra, e mais vazamentos podem estar ocorrendo agora sem que ninguém saiba. Entender como os estoques submarinos de gases de efeito estufa da Antártica interagem com o oceano e a atmosfera acima pode ter implicações enormes para a precisão dos modelos climáticos, disseram os pesquisadores - agora, é importante encontrar e estudar mais deles enquanto nossos modelos ainda são válidos.


Além do artigo original, esta matéria foi feita a partir da tradução de texto publicado no site LiveScience.

43 visualizações

© 2016 por Cumulus TV.