Posts Recentes
Posts Em Destaque

50% da Grande Barreira de Corais morreu nos últimos anos


Desde meados da década de 1990, os corais da Grande Barreira de Corais diminuíram mais de 50%, e isso vale para praticamente todas as espécies, em todas as profundidades e em todos os tamanhos, de acordo com um novo estudo, publicado no mês de setembro na revista científica Proceedings of the Royal Society B.


A pesquisa abrangeu todos os 2.300 quilômetros da Grande Barreira de Corais e encontrou uma perda perturbadora em praticamente todos os níveis.


Segundo Andreas Dietzel, do ARC Center of Excellence for Coral Reef Studies, autor principal do estudo, os resultados mostram que a capacidade da Grande Barreira de Corais de se recuperar, ou seja, sua resiliência, está comprometida em comparação com o passado, porque há menos corais novos e menos adultos reprodutores grandes.


Semelhante às florestas antigas, são esses corais maiores que mais preocupam os cientistas marinhos.


A perda de corais mais antigos como esse poderia ter um efeito cascata em todo o sistema de recifes, já que as maiores colônias em uma população afetam desproporcionalmente a reprodução e os genes da próxima geração, ao mesmo tempo que fornecem maior habitat e alimento para peixes e outras formas de vida nos recifes.


“O declínio global de árvores grandes e velhas, por exemplo, implica uma perda de habitat crítico, alimentos e armazenamento de carbono”, escrevem os autores. Mas embora o tamanho das florestas terrestres tenha sido cuidadosamente monitorado ao longo dos anos, as tendências no tamanho dos corais raramente são examinadas.


Para preencher esta lacuna, os pesquisadores documentaram o declínio sistemático da abundância de coral na Grande Barreira de Corais em tamanho, habitats, setores e taxa de 1995 a 2017. Durante esse tempo, o recife experimentou vários ciclones locais, quatro eventos de branqueamento em massa e dois grandes surtos da estrela do mar coroa de espinhos, espécie exótica invasora (para não mencionar outro evento de branqueamento grave que ocorreu no início deste ano).


Estudar a vasta extensão que é a Grande Barreira de Corais é obviamente um grande desafio e, para estimar o tamanho das colônias, os pesquisadores usaram comprimentos de interceptação de linha como proxy.


Isso significa que uma linha foi colocada sobre o recife de coral para medir o comprimento abrangente de vários organismos abaixo.


Embora não seja uma medida direta do tamanho do coral, os comprimentos de interceptação de linha podem indicar mudanças no tamanho da colônia subjacente e, por ter sido usada por tanto tempo, os autores dizem que é "uma fonte insubstituível de dados demográficos históricos" sobre corais.


Os autores descobriram que a abundância de corais diminuiu drasticamente em todos os tamanhos de colônias e em todos os táxons de corais. Essas mudanças foram mais pronunciadas nas regiões Norte e Central da Grande Barreira de Corais, que é onde ocorreu a maior parte do branqueamento em massa recente do coral.


"Costumávamos pensar que a Grande Barreira de Corais é protegida por seu tamanho", diz o biólogo marinho Terry Hughes, "mas nossos resultados mostram que mesmo o maior sistema de recifes relativamente bem protegido do mundo está cada vez mais comprometido e em declínio."


A perda de colônias de médio e grande porte é particularmente preocupante, pois podem prejudicar a reprodução e impedir que corais mais velhos reabasteçam populações em declínio. Ao mesmo tempo, a perda desproporcional em colônias menores sugere uma redução na disseminação de minúsculas larvas de coral.


"O potencial de recuperação de corais fecundos mais velhos é incerto, dada a crescente frequência e intensidade dos eventos de perturbação", escrevem os autores do estudo atual.


"O declínio sistemático em colônias menores em regiões, habitats e taxa sugere que um declínio no recrutamento erodiu ainda mais o potencial de recuperação e resiliência das populações de corais."


E a janela de recuperação está fechando rapidamente. Se não cortarmos nossas emissões até o final do século, estudos mostram que eventos destrutivos de branqueamento, como os ocorridos em 2016 e 2017, podem muito bem ocorrer anualmente.


"Acho que se pudermos controlar o aquecimento em algum lugar entre 1,5-2 ° C [acima dos níveis pré-industriais], de acordo com o acordo de Paris, então ainda teremos um recife", disse Hughes ao The Guardian.


"Mas se chegarmos a 3-4 ° C por causa de emissões irrestritas, não teremos uma Grande Barreira de Corais reconhecível."

Arquivo

© 2016 por Cumulus TV.