Posts Recentes
Posts Em Destaque

Biodiversidade do oceano profundo será impactado pelo aquecimento no futuro

Os oceanos profundos do mundo estão esquentando a uma taxa mais lenta que a superfície, mas ainda não são boas notícias para criaturas do fundo do mar, segundo um estudo internacional.


Uma pesquisa, publicada na revista Nature Climate Change e liderada pelo Ph.D. da Universidade de Queensland, na Austrália, Isaac Brito-Morales, analisou como a vida do oceano estava respondendo às mudanças climáticas.

No estudo, foi usada uma métrica conhecida como velocidade climática, que define a provável velocidade e direção em que uma espécie muda à medida que o oceano esquenta. Os pesquisadores calcularam a velocidade climática em todo o oceano nos últimos 50 anos, usando dados de 11 modelos climáticos. Isso permitiu comparar a velocidade climática em quatro zonas de profundidade oceânica - e avaliar em quais zonas a biodiversidade poderia mudar mais sua distribuição em resposta às mudanças climáticas.

Os pesquisadores descobriram que a velocidade climática é atualmente duas vezes mais rápida na superfície por causa de um maior aquecimento da superfície e, como resultado, as espécies de vida mais profunda têm menos probabilidade de correr o risco de sofrer alterações climáticas do que as da superfície.

No entanto, segundo os pesquisadores, até o final do século, assumindo que temos um futuro de altas emissões de gases de efeito estufa, não há apenas um aquecimento muito maior da superfície, mas também esse calor penetrará mais profundamente.

Em águas entre 200 e 1000 metros de profundidade, a pesquisa demonstrou que a velocidade climática pode acelerar até 11 vezes a taxa atual.

E não apenas a velocidade climática está se movendo em diferentes velocidades de acordo com as profundidades no oceano, mas também em diferentes direções, o que representa enormes desafios para a maneira como devem ser projetadas áreas protegidas.

Ainda segundo os pesquisadores envolvidos neste estudo, é vital que haja uma redução significativas das emissões ide carbono para controlar o aquecimento global e controlar estas velocidades climáticas nas camadas superficiais do oceano até 2100, mas devido ao imenso tamanho e profundidade do oceano, o aquecimento já absorvido na superfície do oceano se misturará em águas mais profundas. Isso significa que a vida marinha no oceano profundo enfrentará ameaças crescentes do aquecimento do oceano até o final do século, não importa o que seja feito agora.

"Isso deixa apenas uma opção - agir urgentemente para aliviar outras ameaças geradas pelo homem à vida em alto mar, incluindo mineração no fundo do mar e pesca no fundo do mar.

"A melhor maneira de fazer isso é declarar novas e grandes áreas protegidas no fundo do oceano, onde os danos à vida do oceano são proibidos ou, pelo menos, estritamente gerenciados".

Acesse ao artigo completo aqui.

Arquivo

© 2016 por Cumulus TV.