Posts Recentes
Posts Em Destaque

Microplástico na brisa do mar

Em estudo publicado na revista PLOS ONE, pesquisadores da Universidade de Strathclyde e do Observatoire Midi-Pyrénées, da Universidade de Toulouse, registraram microplásticos no ar oceânico ao longo da costa sudoeste do Atlântico na França


Microplásticos já foram encontrados no solo, no oceano profundo, em cervejas, viveiros de peixes, sal de mesa, água engarrafada, chá, todos os tipos de mamíferos marinhos e fezes humanas. Um estudo publicado no ano passado estimou que os americanos podem ingerir até 121.000 partículas por ano. Com menos de 5 milímetros de comprimento, as minúsculas partículas de polímero sintético são um dos poluentes mais onipresentes em nosso ambiente.


Os pesquisadores estimam que o spray do mar possa liberar até 136.000 toneladas de partículas microplásticas no ar por ano.



Pesquisadores demonstraram em laboratório como os microplásticos podem ser liberados no ar através da "ejeção por explosão de bolhas". O processo funciona assim: as bolhas trazem microplásticos - assim como ar, sais, bactérias e outras partículas - para a superfície do oceano. Então, quando as ondas do oceano quebram e fazem com que essas bolhas rebentem, as partículas são lançadas nos ventos que sopram acima da água.

Essa descoberta pode ajudar a explicar para onde foi o plástico "desaparecido" que entra no oceano. "Estima-se que 12 milhões de toneladas entrem no mar todos os anos, mas os cientistas não conseguiram descobrir para onde vai a maior parte - exceto em baleias e outras criaturas marinhas -, então procuramos ver se alguns poderiam voltar", disseram Deonie e Steve Allen, principais co-autores do estudo.

Os pesquisadores registraram até 19 fragmentos microplásticos em um metro cúbico de ar ao longo de uma praia de baixa poluição no Golfo da Biscaia, na Aquitânia, França.



RESUMO DO ARTIGO

A poluição global por lixo plástico tem aumentado juntamente com a demanda desde que os produtos plásticos ganharam popularidade comercial nos anos 30. A pesquisa atual sobre poluentes plásticos geralmente supõe que, uma vez que os plásticos entrem no oceano, eles estão ali para ficar, retidos permanentemente nas correntes oceânicas, biota ou sedimentos até eventual deposição no fundo do mar ou serem levados à praia. Em contraste com isso, sugerimos que parece que algumas partículas de plástico podem estar saindo do mar e entrando na atmosfera junto com sal marinho, bactérias, vírus e algas. Isso ocorre através do processo de ejeção de explosão de bolhas e ação das ondas, por exemplo, devido à forte turbulência do vento ou do estado do mar. Neste manuscrito, revisamos evidências da literatura existente que são relevantes para essa teoria e a seguimos com um estudo piloto que analisa microplásticos (MP) em spray marítimo. Aqui mostramos as primeiras evidências de partículas MP, analisadas por μRaman, em amostras de ar da camada limite marinha na costa atlântica francesa durante ventos onshore (média de 2,9MP / m3) e offshore (média de 9,6MP / m3). Notavelmente, durante a amostragem, a convergência da brisa do mar significou que nossas amostras foram dominadas por spray do mar, aumentando nossa capacidade de amostrar MPs se elas fossem liberadas do mar. Nossos resultados indicam um potencial de MPs serem liberados do ambiente marinho para a atmosfera por spray marítimo, fornecendo um valor extrapolado globalmente de 136.000 toneladas / ano soprando na praia.

Arquivo

© 2016 por Cumulus TV.