Posts Recentes
Posts Em Destaque

Novas descobertas sobre a "Grande Morte" do Planeta há 252 milhões de anos



Um novo estudo mostra pela primeira vez que o colapso dos ecossistemas terrestres durante o evento de extinção em massa mais mortal da Terra foi diretamente responsável por interromper a química dos oceanos.


O estudo internacional, liderado pela Universidade de Leeds, destaca a importância de entender a interconexão dos ecossistemas à medida que nosso ambiente moderno luta com os efeitos devastadores de um planeta em rápido aquecimento.

A extinção do período Permiano-Triássico, também conhecida como a Grande Morte, ocorreu cerca de 252 milhões de anos atrás e causou a perda estimada de 90% das espécies marinhas, 70% das espécies terrestres, perda generalizada da diversidade de plantas e extrema erosão do solo. Embora a causa exata da extinção em massa terrestre ainda seja debatida, está se tornando evidente que os ecossistemas terrestres foram destruídos antes dos ecossistemas marinhos. No entanto, até agora não estava claro se ou como a extinção terrestre impactou a química dos antigos oceanos da Terra.


Para tentar avançar nos estudos, a equipe de pesquisadores construiu um modelo de computador que mapeou mudanças químicas nos oceanos da Terra durante este período da extinção. O modelo acompanha o ciclo do mercúrio que é emitido pelos vulcões, mas também é incorporado aos organismos vivos. Ao rastrear os ciclos de mercúrio e carbono, e comparando as medições em rochas antigas, a equipe conseguiu separar eventos biológicos e vulcânicos. Isso revelou que um colapso maciço de ecossistemas terrestres colocou em cascata matéria orgânica, nutrientes e outros elementos biologicamente importantes no sistema marinho.

Embora sejam necessárias mais pesquisas para entender o efeito exato que isso teve na vida marinha, o fato de muitas espécies marinhas dependerem da estabilidade química em seu ambiente significa que é improvável que este acontecimento não teve consequências. O co-autor do estudo, Dr. Jacopo Dal Corso, disse à CNN:

"Neste estudo, mostramos que durante a transição Permiano-Triássico, aproximadamente. 252 milhões de anos atrás, o colapso generalizado dos ecossistemas terrestres causou mudanças repentinas na química marinha. Isso provavelmente desempenhou um papel central no desencadeamento da extinção marinha mais severa conhecida na história da Terra. Este exemplo em tempo profundo mostra a importância do reservatório terrestre na regulação dos ciclos biogeoquímicos globais e exige uma maior conservação desses ecossistemas".

O co-autor do estudo, Dr. Benjamin Mills, da Escola de Terra e Meio Ambiente de Leeds, disse:

"252 milhões de anos atrás, os efeitos da morte em massa das plantas e da oxidação do solo parecem ter alterado seriamente a química dos oceanos. Esse é um paralelo desconfortável. com nossa própria mudança no uso da terra, movida pelo homem, e também estamos transferindo grandes quantidades de nutrientes e outros produtos químicos para os oceanos. Enquanto procuramos reiniciar as economias do mundo após a atual pandemia, proteger nossos ecossistemas que sustentam a vida deve ser uma prioridade".
Arquivo

© 2016 por Cumulus TV.