Posts Recentes
Posts Em Destaque

Novos dispositivos para rastrear espécies migratórias em todo o oceano



Cientistas da Escola de Ciências Marinhas e Atmosféricas da Universidade de Miami (UM) e da Wildlife Computers, Inc. anunciaram no último dia 04 de dezembro o lançamento de um novo aplicativo de produto de dados para rastreamento de animais marinhos. A tecnologia foi projetada para rastrear e transmitir remotamente dados coletados sobre os níveis de atividade de um animal ao longo de vários meses, juntamente com as temperaturas e profundidades que eles experimentaram.

Determinar se e como os animais marinhos mudam seus níveis de atividade em resposta a condições ambientais variáveis, como a temperatura, é importante para compreender e prever suas respostas ao aquecimento global e outras mudanças ambientais.


Espécies oceânicas de grande alcance, como tubarões e atuns, levam vidas complexas escondidas sob a superfície do oceano. Isso torna o estudo dos níveis de atividade nessas espécies muito desafiador para os cientistas. Embora algumas tags tenham acelerômetros integrados capazes de medir os níveis de atividade dos animais, a quantidade de dados brutos gerados é geralmente muito grande para ser transmitida via satélite, o que exigiu que os cientistas de alguma forma recuperassem as tags e baixassem os dados do acelerômetro. Essa tem sido uma das principais limitações para a coleta de dados importantes sobre como essas espécies usam seu ambiente.

De acordo com Rachel Skubel, principal autora do estudo e doutoranda na Universidade de Miami, o novo recurso disponível na tag pop-up MiniPAT, da Wildlife Computers, tem um acelerômetro integrado para medir a atividade, e seu software integrado calcula um valor resumido do nível de atividade geral, que pode ser transmitido aos satélites. Ainda segundo ela, o produto de dados Activity Time Series (ATS) permite determinar quando o animal marcado está mudando de natação lenta para natação rápida e vice-versa.

Para testar a nova tecnologia ATS, os pesquisadores anexaram tags MiniPAT ao Bijupirá (Rachycentron canadum), localizado na incubadora experimental de peixes da Universidade de Miami. Usando câmeras para registrar os comportamentos reais do peixe marcado, os pesquisadores avaliaram como as mudanças nos níveis de atividade medidos e transmitidos pelas etiquetas de satélite ATS correspondiam aos níveis reais de atividade do bijupirá registrado na câmera. Para ver o desempenho da tag na natureza, a equipe anexou tags MiniPAT habilitadas com o produto de dados ATS para tubarões de banco de areia. Depois de um mês, as etiquetas apareceram conforme programado e transmitiram com sucesso os dados de atividade dos tubarões junto com suas condições ambientais e localizações.

O estudo, intitulado "Um produto de dados escalonável transmitido por satélite para monitorar eventos de alta atividade em animais aquáticos móveis", foi publicado em 22 de novembro de 2020 na revista Animal Biotelemetry.

Arquivo

© 2016 por Cumulus TV.