Posts Recentes
Posts Em Destaque

Latino-americanos unidos pela proteção do Oceano entre Galápagos, Ilhas Cocos, Coiba e Malpelo



Quatro países latino-americanas voltados ao Pacífico se comprometeram a unir suas reservas marinhas para formar uma área interconectada, criando um dos bolsões de biodiversidade oceânica mais ricos do mundo.

Panamá, Equador, Colômbia e Costa Rica anunciaram na terça-feira, dia 03 de novembro, a criação do Corredor Marinho do Pacífico Tropical Oriental (CMAR), que uniria e aumentaria o tamanho de suas águas territoriais protegidas para criar um corredor livre de pesca cobrindo mais de 500.000 km² (200.000 milhas quadradas) em uma das rotas migratórias mais importantes do mundo para tartarugas marinhas, baleias, tubarões e raias.

A mudança ocorre em meio a um clamor crescente por ações para proteger as espécies marinhas raras e as populações de peixes comerciais contra as frotas pesqueiras estrangeiras que exploram a rica biodiversidade marinha da região, bem como para limitar a pesca ilegal, subnotificada e não regulamentada (IUU) pelas comunidades pesqueiras locais.

O presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciou na terça-feira, na COP26, em Glasgow, na Escócia, mais 160.000 quilômetros quadrados de área marinha protegida além dos 120.000 quilômetros quadrados existentes no país.

No dia anterior, o presidente do Equador, Guillermo Lasso, deu o primeiro passo ao anunciar a expansão da atual reserva marinha de Galápagos em mais 60.000 km2 nos atuais 133.000 km2.

“Esta é uma decisão soberana do governo equatoriano, mas devo destacar que é o resultado de cinco meses de diálogo, que mantivemos com pescadores artesanais e industriais. Por esse motivo, não espero nenhum problema de rejeição ou protesto, porque é uma decisão consensual ”, disse ele.

Lasso acrescentou que o plano para uma reserva integrada mais ampla era “uma resposta absolutamente direta dos países de renda média com um compromisso com a humanidade” ao aumento da presença de frotas pesqueiras industriais. Ele disse que a expansão envolveu uma das maiores trocas de dívida do mundo para a conservação, mas não deu detalhes ou números.

A expansão cria uma “rota de acesso segura” que conecta as águas equatorianas às costarriquenhas, por onde viajam “importantes espécies migratórias ameaçadas de extinção, como tubarões, baleias, tartarugas e raias manta”, disse o ministro do Meio Ambiente do Equador, Gustavo Manrique.

“Apesar de sermos um país em desenvolvimento, apesar de termos [uma das] maiores frotas [pesqueiras] do Pacífico, decidimos reduzir o esforço de pesca”, disse Manrique ao Guardian.

“Esta é a nova linguagem da conservação global. Nunca países com fronteiras marítimas conectadas se uniram para criar uma política pública. ”


Essa nova área protegida de Galápagos seria dividida em duas: uma zona de proibição de captura de 30.000 quilômetros quadrados ao nordeste das Ilhas Galápagos, conectando as águas do Equador com as da Costa Rica, ao longo dos montes submarinos da cordilheira Cocos, uma importante rota de migração para espécies oceânicas. Outra área de 30.000 km2 é uma zona de proibição da pesca de espinhel, que envolve o noroeste em torno da reserva marinha existente de Galápagos.

Em reportagem do The Guardian, o biólogo marinho Alex Hearn, que trabalha nas Ilhas Galápagos há duas décadas, disse que foi um passo à frente. “Este é um momento para saborear, mas há muito trabalho a ser feito.”

Hearn disse que o Pacífico tropical oriental é “um dos últimos bastiões de como seria a biodiversidade do oceano em um mundo intocado”, e descreveu os mares que conectam as ilhas Galápagos, Malpelo, Cocos e Coiba como um laboratório vivo para pesquisas científicas.

“Não basta proteger as águas ao seu redor. Existe uma conectividade entre as áreas e é isso que precisamos proteger ”, disse ele.

Hearn observou que as populações de espécies altamente migratórias têm caído neste século, entre elas tartarugas, raias e tubarões, particularmente as espécies de tubarão-martelo em criticamente ameaçadas, que se reúnem para se reproduzir em torno das ilhas Darwin, em Galápagos, e Malpelo, na Colômbia.

Em junho, como parte da iniciativa "30x30" liderada pelo Reino Unido para garantir pelo menos 30% do oceano do mundo como áreas marinhas protegidas até 2030, o Panamá mais do que quadruplicou a área marinha protegida da Cordilheira de Coiba - de cerca de 17.220 km2 para 98.230 km quadrados.

Max Bello, um consultor de política oceânica da ONG Mission Blue, disse: “Com este compromisso, a América Latina novamente consolida sua liderança na conservação marinha, mas é necessário mais. Esperamos continuar rumo a pelo menos 30% de proteção em todos os países [marítimos]. ”

“Uma nova era - para fornecer proteção às espécies que não conhecem fronteiras - nasceu”, disse ele.