Posts Recentes
Posts Em Destaque

Pesquisadores mapeiam grandes florestas de algas no oceano



Em estudo publicado no dia 10 de junho na revista Comunications Earth and Environment, um grupo de pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, alerta para a necessidade de se aumentar a proteção das florestas de algas gigantes, as Kelps, no oceano.


As gigantescas florestas de algas marinhas do mundo - áreas selvagens marinhas vitais tão importantes para a ecologia da Terra quanto as florestas tropicais e os recifes de coral - estão sendo mapeadas por uma equipe de cientistas internacionais. Eles estão identificando santuários potenciais para estes ecossistemas, que estão cada vez mais ameaçadas pelas mudanças climáticas.


"Florestas de algas marinhas são encontradas em 25% da costa do planeta", disse Arafeh-Dalmau, que lidera o estudo. Eles são um dos ecossistemas mais produtivos e magníficos da Terra, mas estão desaparecendo por causa do aumento das atividades humanas e das ondas de calor no oceano”.

A equipe de pesquisa analisou 35 anos de informações de dados de satélite - identificando áreas onde florestas de algas gigantes atuam como potenciais refúgios climáticos e calculando quanta proteção é necessária. A região mapeada cobre milhares de quilômetros ao longo da costa dos EUA e do México e ilhas do Nordeste do Oceano Pacífico.

"Descobrimos que há um nível alarmantemente desigual de proteção das florestas de algas marinhas dentro das reservas marinhas da região, com menos de um por cento protegido na costa mexicana da Baja Califórnia", disse Arafeh-Dalmau.

Esta região está sujeita a episódios de altas temperaturas da superfície do mar e menor disponibilidade de nutrientes, limitando a biomassa e a propagação das algas.

“As algas gigantes são o organismo de crescimento mais rápido na Terra e, quando perdemos uma floresta, perdemos um incrível estoque de carbono, habitat para a biodiversidade marinha, criadouros para os estoques de peixes e um tampão de erosão para as comunidades costeiras. À medida que as ondas de calor marinhas aumentam em frequência e gravidade, precisamos descobrir como e onde protegê-las da melhor forma.

“Estamos trabalhando duro neste mesmo problema, monitorando onde as florestas de algas se desenvolvem ao longo do tempo e quantificando quanto desses habitats persistentes de algas estão totalmente protegidos. Esta região está sujeita a episódios de altas temperaturas da superfície do mar e menor disponibilidade de nutrientes, limitando a biomassa e a propagação das algas."


Os métodos de estudo agora serão usados ​​em todo o mundo para mapear a persistência de algas gigantes e outras espécies de algas formadoras de dossel em países como Chile e África do Sul, Austrália e Nova Zelândia.

Arafeh-Dalmau acredita que uma das maiores barreiras para a conservação da floresta de algas é a falta de conscientização, principalmente quando comparada a ecossistemas semelhantes, como recifes de coral.


“Precisamos que o público e os legisladores saibam que essas misteriosas florestas subaquáticas existem, elas estão sendo ameaçadas globalmente por atividades humanas e precisamos protegê-las agora”, disse ele.

A coautora Dra. Fiorenza Micheli, da Universidade de Stanford, disse que os governos precisam garantir que 30% do oceano seja totalmente protegido até 2030, incluindo grandes porções de florestas de algas.

"Proteger as persistentes florestas de algas e determinar onde as florestas podem atuar como refúgios climáticos é fundamental. Mas outras medidas serão necessárias, incluindo a restauração de florestas de algas degradadas, identificação de kelps geneticamente resilientes para proteção e restauração direcionadas, e uma redução de outros estressores antropogênicos, como pesca predatória e poluição”, disse Micheli.