Posts Recentes
Posts Em Destaque

Dente de megalodon é encontrado na Flórida





Traduzido do artigo: A extinção do tubarão mega-dentado Otodus megalodon no Plioceno: uma vista do leste do Pacífico Norte


Robert W.Boessenecker1,2,3, Dana J.Ehret4, Douglas J.Long5,6, MorganChurchill7, EvanMartin8, Sarah J.Boessenecker1,2,9



O extinto tubarão gigante Otodus megalodon é o último membro da linhagem predatória megadentada e é relatado a partir de sedimentos Neógenos de quase todos os continentes. Acredita-se que o momento da extinção do Otodus megalodon seja o Plioceno, embora os relatos de dentes do Pleistoceno alimentem a especulação de que o Otodus megalodon pudesse ainda existir.


A longevidade da linhagem Otodus (do Paleoceno ao Plioceno) e sua ausência conspícua na fauna moderna levanta a questão: quando e por que esse tubarão gigante foi extinto? Abordar esta questão requer um registro fóssil de vertebrados marinhos densamente amostrado em conjunto com uma estrutura geocronológica robusta. Muitas bacias historicamente importantes com amostras de fósseis de vertebrados marinhos Neógenos com Otodus empilhados carecem de estratos bem amostrados e bem datados do Plioceno inferior e superior (por exemplo, Planície Costeira Atlântica).


O registro fóssil da Califórnia, EUA e Baja Califórnia, México, fornece uma sequência ideal de amostras preservadas em sequências litoestratigráficas bem datadas. Este estudo analisa todos os registros de Otodus megalodon de estratos marinhos pós-messinianos do oeste da América do Norte e avalia sua confiabilidade. Todas as ocorrências pós-Zanclean de Otodus megalodon no leste do Pacífico Norte exibem evidências claras de retrabalho ou falta de procedência confiável; os registros confiáveis ​​mais recentes de Otodus megalodon são do Plioceno inicial, sugerindo uma extinção na fronteira do Plioceno início-tardio (∼3.6 Ma), correspondendo às ocorrências mais recentes de Otodus megalodon no Japão, no Atlântico Norte e no Mediterrâneo.


Este estudo também reavalia um conjunto de dados publicado, examinando minuciosamente cada ocorrência e justificando a idade geocronológica de cada uma, além de excluir vários registros duvidosos. A reanálise do conjunto de dados usando estimativa linear ótima resultou em uma data de extinção mediana de 3,51 Ma, um pouco mais velha do que a data de extinção do Plioceno-Pleistoceno proposta anteriormente (2,6 Ma).

As mudanças oceanográficas pós-mioceno médio e o resfriamento da temperatura da superfície do mar podem ter resultado na fragmentação do alcance, enquanto a competição com o tubarão-branco recém-evoluído (Carcharodon carcharias) durante o Plioceno pode ter levado à morte do tubarão megadentado. Alternativamente, esses achados também podem sugerir uma extinção globalmente assíncrona de Otodus megalodon.